quarta-feira, 30 de março de 2011

O louco

O louco andava descuidado
Cantava algumas canções
Dizia meia dúzia de palavrões
E puxava a cadeira do criado.


Levou dois bofetões
Sujou uma faca e uma colher
Reuniu suas visões
E se apaixonou por uma mulher.


Cumprido seu papel, caiu em si, e hoje
O louco tem a voz de um trovão
E ergue um boi com a mão


Se desdobra, aumenta, já não foge
E enquanto todos dormem na festa
Ele repara carinhoso a sua seta.


Fonte:
A-mar-o-mar e outros poemas
Ricardo Pinto de Souza
1ª edição - 2000
Grupo Editorial Cone Sul
São Paulo - SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sapo no Saco

E era o sapo dentro do saco E o saco com sapo dentro E o sapo fazendo papo E o papo fazendo vento E era o sapo dentro do saco E o saco ...